Antes de começar com a experiência centrada no usuário (UX) como ferramenta fundamental do sucesso das nossas campanhas de marketing e estratégia de conteúdos vamos decompor o verdadeiro significado sobre a importância de levar em conta as emoções e cognições do nosso público antes de realizar qualquer tipo de ação de marketing.

 

Seja que nos encontremos perante um evento empresarial online, um webinar ou uma capacitação, uma campanha de email marketing sazonal, publicidade no Google ou nas diferentes redes sociais e outros objetivos como atrair, vender e seduzir aos clientes, devemos refletir como será o possível impacto das nossas campanhas no público.

 Se entendemos que UX é a interação de um usuário com um entorno digital poderiamos sintetizar que: com um bom design gráfico que seja adaptado a todos os tipos de dispositivos, um texto atraente e bem redigido e o meio fosse adequado já se estaria implementando satisfatoriamente os procedimentos UX.

 

Mas a realidade é muito mais complicada do que os limites da informática e o design podem abranger, já que a experiência no usuário trata-se mais do que nada daquelas congnições e emoções que geram nas pessoas determinados estímulos, e aqui está a sua verdadeira importância. 

 

É por isso que muitas vezes nos perguntamos por que duas publicidades tão semelhantes têm diferente resultado. Sendo que uma tem mais sucesso do que outra que passa despercebida.

A resposta é simples, mas no seu interior tem um mundo de conceitos e conhecimentos em andamento. É aqui onde a infomática, a psicologia, a sociologia e o marketing se fusionam e devem começar a trabalhar em forma paralela e colaborativa.

 

Por que UX é importante para as campanhas do Marketing?

 

1. Porque me permite conhecer o meu público e assim posso oferecer soluções às suas necessidades reais. 

 

Como posso consegui-lo?

 

– Escutando seus reclamos e queixas

– Elaborando formulários de sugestões

– Tendo uma ativa participação nas comunidades online

– Fazendo relatórios e monitoramentos de todas as áreas que participam para ter a certeza que a informação seja compartilhada por todos.

 

Muitas vezes acontece que um desenvolvedor ou designer gráfico não entram em contato com os community managers ou editores de conteúdos antes de realizar um projeto, perdendo o feedback dos clientes e portanto uma oportunidade não é aproveitada para lhes oferecer a eles que estão pedindo.

2. Aprenderemos mais ao saber ler os erros feitos 

 

Como posso consegui-lo?

 

Fazendo!

Como diz o pai da relatividade Albert Einstein, uma pessoa que nunca cometeu um erro é uma pessoa que nunca tentou nada novo. A chave do marketing é fazer, e essas ações inevitavelmente levarão a cometer alguns erros que podem virar-se em experiências que conseguirão um sucesso futuro.

Desta forma é importante entender que um cliente perturbado, zangado, indiferente, agradecido, satisfeito ou feliz são variáveis que devem ser analisadas, levar em conta e saber corregir em caso de ser negativas, para conseguir asim os objetivos propostos nas estratégias de marketing.

 

Apostando na certeza podem se conseguir boas métricas. 

Mas apostando em alguma coisa nova  o marcador pode-se quebrar.

 

3. Porque o entorno digital somente existe quando existe um «outro» atrás da tela e esse outro é a quem devemos ajudar.

 

Como posso consegui-lo?

 

Colocando-se no lugar dos nossos clientes!

Não tem forma de implementar UX sem se colocar nos sapatos dos nossos clientes, aprendendo a pensar como eles, entendendo seus pedidos e realizando ações para satisfazê-los.

Seja qual for, ou uma web institucional, uma app, uma newsletter de email marketing ou um projeto gráfico, a premissa principal é fazê-la levando em conta como primeira medida:

– ao público

– os gostos e os interesses 

– às caraterísticas do produto ou serviço

– ao ramo gráfico, o gênero e todos aqueles valores caraterísticas da comunidade.

 

Uma vez implementados todos os aspectos mais psicológicos que nos permitirão ter o pulso do nosso público se poderá dar passo às questões técnicas, o andamento e medição de resultados.

 

Lembre que os resultados ou métricas não são para ter medo caso resultem negativos, mas pelo contrário aprender que significam essas cifras que mostram as estatísticas para superá-las e melhorar. 

 

Desta forma as conversões aumentarão aos poucos e será conseguido um grau de comunião com o cliente, issso se perceberá no aumento das vendas, mais aberturas de emails, mais fãs nas redes sociais e mais clientes felizes com a sua eleição de marca.